11 de set de 2010

Da série 'Clássicos inutilmente'

Doce a Andrômeda,
tosca e desgarrada,
ao viver acorrentada
esqueceu-se que vivia...

Se a dor lhe ofuscava,
sentimento não faltava
para ver, ouvir, sentir,
o que já não mais enxergava...

Os cabelos pela face,
tal qual seu único enlace,
a indigna corrente
já não mais suportada.

Mas a donzela libertada
hoje foi agraciada.
Uma constelação nominada
fez eterna e bela a dor passada...

Carta à esperança

E passei o dia todo naquela mesma cadeira, estagnado na vida, procurando com os olhos pelos móveis vestígios do que existiu um dia. Nada. O que restou do sorriso de criança e da gargalhada rouca da tua companhia? Com certeza não foi essa vontade absurda de desistir... Diz pra mim cadê você!
Vou cantar Tim Maia e me embriagar em alguma cachaça barata na espera de te ter...

É verdade que você vai voltar mesmo um dia? Bater à porta quando eu menos esperar e me fazer alegre de novo... Porque já não bastasse me abandonar, levou junto a alegria!
Ok, desculpe. Não quis ser rude, mas fico sem ação, sem palavras... e essa inércia acaba por dar tons de insanidade a minha causa, que julgo muito justa. Afinal, que mal há em precisar de você? Em te querer aqui comigo...

Meus amigos dizem pra eu te esperar, outros até dizem pra te procurar melhor, que é possível te reencontrar. E o que eu faço até você chegar? Se é que chegará mesmo um dia.Só sei que não há como seguir em frente sem ter você por perto...


Acho que nisso tudo encontro um pouco de você. Mas peraí! Será que não é isso? Será essa a resposta? Não será isso que você deixou pra mim? A espera está embebida de você e você e você! Se eu juntar esses pedacinhos, você volta? É o que me resta fazer, não é!? Pra te trazer de volta pra mim, eu


....................................................................................................................

Instantes de expectativa em silêncio, só quebrado pelo som do isqueiro e da forte tragada no último cigarro do maço.
- Sinto você chegar! - exclama Caio, som que ecoa no apartamento frio. Corre até a janela, um sol dourado poente dá um tom alaranjado a face já sem lágrimas e num momento que precede o sorriso sincero de quem encontra tudo aquilo que procurava.