22 de nov de 2010

Será que essa utopia
é viver um "faz de conta"?
Na Tv, a novela:
outra vida, outros contos, uma história pronta?!

E há quem não entenda
os milhares de telespectadores.
P'ra essa vida nada fácil,
sufocados [ou enraizados] em desamores,
muito mais simples assistir, reproduzir...
do que a possibilidade fraca e frágil
do viver diferente...
Nesse mundo de competições
e conquistas individualizadas,
poucos coletivos, muitas multidões...
Lucro, luxo, lixo...
Viver abertamente,
amar livremente
é demasiadamente inusitado...
"Way of life" subjugado...
Conviver com essa lógica
constitui-se em trama trágica...
O eu, tu, ele
com poucos nós
e somente a sós
parece ser possível
esses tão [in]espesrados
laços e nós
de pessoas condenadas
a viver uma vida já contada
no capítulo anterior...

Por favor, desligue a Tv e vá viver sua vida!

16 de nov de 2010

Babilônia

Não se venda na estante de uma loja!
E não espere encontrar
no fim da noite, depois de mais um bar,
um frasquinho de esperança no posto 24hrs.
Vai descobrir que estamos com poucas reservas no mundo de onde extraí-la...
Mas é claro, você consegue ali na esquina!

Não esteja 48hrs por dia disponível!
E irrite as pessoas com isso!
Elas tem que sobreviver
porque "é preciso saber viver"
e até mesmo sem você.
Nada no mundo é tão importante
que não posso esperar a música acabar de tocar...
Termine de dançar, de cantar,
de amar, de estender as roupas,
de cuidar das plantas na varanda
e de esperar... por simplesmente esperar...
"se não você dança, se não você dança"!

Relógio cuco estragado esse do imediatismo da vida pós-moderna...
E vá saber escrever pósmodernidade
nessa pós modernidade linguística!

10 de nov de 2010

O tema amar tem sido constante nesse blog, talvez para tentar compensar a ausência no mundo real. Essa música tem tudo a ver com tudo isso:

Eu só penso em te ajudar, Os Mutantes (do álbum Tudo foi feito pelo Sol, 1974)

Estão dizendo que é pra competir
Mas eu só penso em te ajudar
Só quero uma vida em que a gente possa amar
Ah! Yeah, yeah amar a vida
Yeah, yeah amar o mundo
Estão dizendo que é p'ra eu te passar p'ra trás
Mas eu só penso em te abraçar
Não há nada na vida que faça eu parar de amar
Aahhh! Yeah, yeah amar a vida
Yeah, yeah amar o mundo
Hey garoto vê se não vai cair do buggy
Hey garoto que tal você tocando moggy
Hey garoto você dançando boogie woogie



6 de nov de 2010

Veneno letal

E se o meu intento
é todo meu veneno
pra te embriagar?!
Toma minha volúpia,
vem dançar na chuva,
vou te apaixonar!

Vem te embriagar
de amor pela minha boca,
minh'alma, teu calor, tira a roupa!
Vem dançar
que essa música é nossa!
Te espero!
Vem correndo, já é hora.

Te queria tanto que quebrei o encanto.
No gelo, gelo e degelo
o sabor do pranto que me faz chorar
Essa noite eu canto
para os moribundos
que no além mundo
não souberam amar...
Tempestade lá fora...

E nesse desamparo louco,
teu olhar,
logo reparo,
que aqui não mais está.
Levo teu abraço
em meus braços,
já que é certeza
a ausência da tua presença:
não mais há.
Aqui jaz esse poeta,
manco
que na certeza cega
do já não estar,
afeiçoa-se ao pranto,
que outrora brando,
hoje é como manto
a cobrir-lhe o olhar.

Chove silenciosamente aqui dentro.

4 de nov de 2010

Despite of...

Eternizar o amar e o viver,
apesar da brevidade efêmera do ser !?!?